22 de agosto de 2014

Casio EX-100, mais uma compacta premium de encher os olhos

   Não, a Casio não está nem entre as dez fabricantes mais importantes de câmeras (podem fazer as contas se quiserem). Sim, a Casio faz câmeras espetaculares de vez em quando. Esse prólogo foi para explicar o título da matéria que pode soar um tanto estranho, afinal, por que uma câmera da Casio seria de encher os olhos? Porque ela é ousada, as especificações de suas principais câmeras são sempre muito agressivas. O problema é que falta tanto ousadia quanto agressividade na hora do marketing. Onde se encontra câmeras Casio? Acho que apenas na Europa e na Ásia. Vamos conhecer agora a Casio EX-100.
Reparem no pequeno botão ao lado da lente, é um botão de disparo frontal
   A Casio EX-100 é equipada com sensor CMOS de 12.1MP (1/1.7 de polegada com resolução total de 12.76 megapixels); sua objetiva com 10.7x de zoom cobre distância focal entre 28-300mm com abertura f/2.8 constante e macro de 5cm; possui estabilização óptica de até 2.5 stops; sensibilidade ISO 80-25600; o tempo de exposição varia entre 1/2000 e 250 segundos (até 1/4000 n modo automático e até 1/20000 no modo contínuo de alta velocidade); modo contínuo de até 30fps; o alcance do flash é de até 6.1 metros; fotografa em RAW; possui wi-fi embutido; faz vídeos Full HD com taxa de 30fps em formato MOV e som estéreo, além de vídeos em super slow motion de até 1000fps (com áudio até 240fps) e time lapse; seu monitor LCD inclinável mede 3.5 polegadas; e é alimentada por bateria com capacidade para cerca de 390 imagens por carga.
Seu painel traseiro não traz grandes novidades, segue o padrão das compactas
   Um sempre bem-vindo anel de controle está disponível na Casio EX-100, sendo possível controlar através dele: zoom, foco manual, compensação de exposição, abertura, tempo de exposição e ISO. Também há um botão de disparo frontal, muito útil para fotografias com o monitor LCD totalmente levantado, mas também funciona como controle de temporizador e disparo contínuo. É ou não é para amar essa câmera?
O anel ao redor da lente é multifuncional e garante o máximo de agilidade que uma câmera deste porte permite
   Opinião do blogueiro: Temos uma compacta premium com incomuns 10.7x de zoom no mercado, mas que não chega nem perto do Brasil. e fora o alcance relativamente logo, a Casio EX-100 possui muitas outras boas qualidades como a abertura constante f/2.8, longa exposição de até 250 segundos, ftografa em RAW, possui wi-fi integrado, anel de controle  e botão de disparo frontal multifuncionais, um grande monitor inclinável (acima da média), e uma bateria de grande autonomia. A qualidade óptica da Casio é uma incógnita mas eu arriscaria meu dinheiro nesta câmera se a encontrasse por aí. Recomendada com sobras pelas especificações, mas gostaria muito de testá-la um dia. É melhor do que muita coisa que encontramos por aí, uma pena a Casio ignorar o Brasil.

20 de agosto de 2014

Samsung Galaxy K Zoom

   Quem está ligado no blog viu que na última matéria o prêmio da EISA de melhor câmera de smartphone foi para o Samsung Galaxy K Zoom, e eu acredito que o "culpado" foi o zoom óptico pois, em qualidade de imagem, há outras câmeras de smartphone que o superam como as presentes nos celulares Nokia, Sony e HTC. A primeira tentativa da Samsung de fazer um smartphone com zoom óptico em sua câmera foi o S4 Zoom, que nada mais era do que uma junção do celular Galaxy S4 com a câmera compacta Samsung W30F. Desta vez tentaram criar uma câmera totalmente nova, vamos ver o que ela nos oferece.
As 3 cores disponíveis do Samsung Galaxy K Zoom
   O Samsung Galaxy K Zoom é equipado com sensor CMOS de 20.7 megapixels medindo 1/2.3 de polegada; sua lente com 10x de zoom possui distância focal entre 24-240mm com abertura f/3.1-6.3; possui estabilização óptica; possui um pequeno botão dedicado para disparo; modo dedicado a selfies com sua câmera frontal de 2MP; faz vídeos Full HD com taxa de 60fps; possui flash de xenon; sua tela Super AMOLED com resolução HD mede 4.8 polegadas com revestimento Gorilla Glass 3; possui 8gb de memória interna e possui slot para cartão Micro SD de até 64gb; e é alimentado por bateria removível de 2430mAh.
Relativamente fino para ter 10x de zoom óptico
   O sensor é o de uma autêntica câmera compacta da Samsung, então a qualidade de imagem do Samsung Galaxy K Zoom pode ser comparada a qualquer câmera compacta com sensor medindo 1/2.3 de polegada. É bem provável que este sensor seja usado na próxima geração de câmeras compactas da fabricante coreana. Para garantir um bom desempenho sem lentidão e travamentos, muito comuns em alguns dispositivos móveis da Samsung devido à sua pesadíssima personalização do Android, a TouchWiz, há um processador hexa-core Exynos 5 (composto por um CPU quad-core de 1.3GHz Cortex A7 e um dual-core de 1.7GHz Cortex A15). Por falar em Android, a versão disponível enste aparelho é a 4.4.2 (Kit Kat), e outros itens disponíveis são 2gb de memória RAM; wi-fi, NFC, 3G/4G, GPS, A-GPS e GLONASS; e bluetooth 4.0.
Tela Super Amoled com revestimento Gorilla Glass 3 de 4.8 polegadas é uma das atrações deste smartphone
   Opinião do blogueiro: A opinião vai se limitar à câmera e não ao Samsung Galaxy K Zoom como um todo. O sensor é inédito e ao compararmos com uma compacta comum teríamos um pouco de ruído acima do normal, mas comparando a outras câmeras de smartphones dá para brigar de igual para igual com as melhores marcas que citei no primeiro parágrafo, ou no mínimo chegar perto delas. Talvez seria melhor utilizar um sensor já conhecido de 16MP, acho que seria mais garantido esta câmera ser aprovada. Disponível nas cores azul, branca e preta ao custo de 1800 reais, recomendada para quem quer um zoom óptico de 10x sem precisar de uma câmera fora do celular.

19 de agosto de 2014

Prêmio EISA 2014-2015

   Hoje é dia mundial da fotografia e aproveito para pedir desculpas aos leitores pela ausência no Resumo Fotográfico e também aqui (a última matéria assinada por mim aqui no blog foi ao ar no dia 6 de agosto), devido ao acúmulo de matérias escritas para o Fotografia-DG nas últimas semanas. Mas eu já havia avisado aqui que não teria mais como manter o ritmo de postagens que imprimi até 2013, só peço-lhes um pouquinho de paciência, ok? Agora vamos saber o que foi destaque na fotografia no Velho Continente no último ano em 19 categorias, segundo a EISA (European Imaging and Sound Association).
Canon Legria Mini X
Câmera DSLR de entrada: Canon T5 - Não trouxe grandes inovações, não seria minha escolha, mas é inegavelmente uma boa câmera. Seu ponto forte é a duração da bateria.

Filmadora caseira: Canon Legria Mini X - Não sou entendedor de filmadoras, mas esta possui um visual bem bacana e o sensor de câmera fotográfica deve garantir uma excelente qualidade de imagem.

Câmera mirrorless avançada: Fuji X-T1 - Só tenho elogios a esta câmera, espetáculo em qualidade de imagem com o auxílio do sensor X-Trans que elimina a necessidade do famigerado filtro low-pass. Ótima escolha.

Objetiva fixa para mirrorless: Fuji XF56mm f/1.2 - Uma das poucas objetivas ultrarrápidas de marcas de renome para sistemas mirrorless, e mais uma vez o mérito é da Fuji. E seu preço não é tão absurdo mesmo em lojas oficiais, configurando um ótimo custo-benefício.
Manfrotto MT055CX Pro 4
Acessório: Tripé Manfrotto MT055CX Pro 4 - A Manfrotto dispensa comentários, ainda mais quando se trata de um tripé que suporta até 9kg e ainda possui um design inovador.

Câmera DSLR de uso profissional: Nikon D4s - O que dizer que uma câmera que possui um obturador com vida útil estimada em 400 mil cliques e alcança ISO 409600? Excelente escolha.

Objetiva zoom para mirrorless: Olympus M. Zuiko 12-40mm f/2.8 - Ainda não escrevi nenhuma matéria sobre esta objetiva, mas ela foi desenvolvida sob a promessa de ser a ideal para eventos para o sistema Micro 4/3.

Câmera mirrorless de entrada: Olympus OM-D E-M10 - É "de entrada", assim entre aspas mesmo. Dá para usar essa câmera profissionalmente fácil, fácil. Não é qualquer mirrorless que vem com viewfinder. Se eu pudesse, seria minha próxima câmera. Ah se eu pudesse...

Câmera compacta avançada: Panasonic FZ1000 - Barbada, né? Ou alguém achava que outra compacta poderia superar uma superzoom com sensor de 1 polegada? Essa eu também teria se pudesse.
Panasonic GH4 e sua base de multiconexões
Câmera para foto & vídeo: Panasonic GH4 - Essa teve uma concorrente de peso mas conseguiu manter o título que sua antecessora conseguiu no ano passado. E parece ter sido realmente a melhor escolha nesta categoria, foi concebida para isso.

Câmera compacta de viagem: Panasonic ZS40 - Gosto muito da série ZS (tanto que tenho uma), mas acho que ela se perdeu nos últimos anos. Não seria minha escolha, mas a série ZS ainda produz ótimas câmeras.

Câmera DSLR avançada: Pentax K-3 - Se a Pentax possui algo de bom é o fato de lançar poucas e ótimas câmeras, principalmente suas DSLR. A inovação de ter um filtro low pass que pode ser usado de acordo com a vontade do usuário é suficiente para esta câmera merecer um prêmio.

Câmera de smartphone: Samsung K Zoom - A Samsung pode não ser a produtora das melhores câmeras para celular, mas é a única que já fez smartphones com zoom óptico e acho que isso vale o prêmio.
Samsung K Zoom
Câmera conectada: Samsung NX30 - Conectividade sempre foi o ponto forte da Samsung, e escolheram a mirrorless mais avançada que ela possui para premiar esta categoria.

Objetiva fixa para DSLR: Sigma 50mm f/1.4 ART - Outra barbada, só tendo muito preconceito com a marca para não admitir que foi a melhor objetiva fixa lançada nos últimos 12 meses.

Câmera mirrorless para uso profissional: Sony Alpha 7R - Me parece realmente a escolha mais acertada para esta categoria, uma mirrorless full frame que não deve nada a nenhuma DSLR em qualidade de imagem e desempenho em geral.
Sony Alpha 7R usando objetiva Zeiss para DSLR com auxílio de adaptador
Câmera compacta: Sony RX100 III - É uma espécie de FZ1000 de bolso, é um prêmio mais do que merecido. Qualidade indiscutível.

Objetiva zoom para DSLR: Tamron 16-300mm f/3.5-6.3 VC PZD - É a objetiva mais versátil já lançada até hoje e o prêmio é mais do que justo, merecidíssimo.

Objetiva telezoom para DSLR: Tamron SP 150-600mm f/5.0-6.3 - Longo alcance sempre foi a especialidade da Tamron e, mais uma vez, um prêmio merecido. Nitidez que impressiona.
Poderosa Tamron 150-600mm
   Está um pouco de ordem pois o site da EISA organizou de acordo com o nome das fabricantes vencedoras. Dá para perceber que é uma eleição um tanto política, mas que conseguiu contemplar realmente o que surgiu de melhor nos últimos 12 meses. Comparem com as escolhas do ano passado e aguardem matérias nas próximas semanas sobre alguns dos equipamentos citados nesta matéria.

13 de agosto de 2014

O Instagram para fotógrafos profissionais

   O Instagram - que você com certeza já ouviu falar - é uma rede social de fotografias para usuários de celulares e tablets Android e iPhone. É um aplicativo baixado gratuitamente, em que é possível postar fotos, com ou sem efeitos, e compartilhar com os amigos. 
   Essas imagens podem ser concomitantemente postadas em outras redes sociais, como o Facebook e o Twitter, por exemplo. Os usuários podem curtir e comentar nas fotos, e também usar hashtags (#), que juntam as fotos relacionadas a um mesmo tema, mesmo que as pessoas que postaram essas fotos não sejam amigas na rede, desde que o perfil seja público. Ou seja, uma integração total e bem fácil.
   Assim, o Instagram pode ser um grande aliado e também um inimigo para os fotógrafos profissionais. Ele é um aliado na medida em que vira uma vitrine do trabalho do fotógrafo, tornando-se mais uma grande ferramenta de divulgação de trabalho, já que hoje em dia quase todo mundo utiliza a rede. Se você, por exemplo, fotografa eventos, usando as hashtags corretas, terá suas fotos vistas pelo seu público-alvo, que poderá apreciar o seu trabalho e contratá-lo depois. Para um fotógrafo autoral é possível se juntar a perfis que promovem pequenos desafios bem interessantes e até mesmo promover pequenas exposições virtuais.      Dá para encontrar vários nichos a seguir, aproveitando o que de melhor a rede tem a oferecer.
O problema começa quando o seu cliente, depois de receber as fotos que você criteriosamente editou, uma a uma, começa a também postá-las em seu próprio perfil, mesmo que da maneira correta, dando o crédito. Calma, eu explico! ;)
   No Instagram, as fotos têm o formato quadrado, então, para que caibam lá, sempre é preciso cortá-las, e as pessoas fazem isso sem qualquer critério, muitas vezes tirando a melhor parte da foto ou destruindo totalmente a regra dos terços que o fotógrafo se preocupou em utilizar.
   Outro problema é o uso dos diversos filtros existentes no Instagram - na minha opinião quase todos bem cafonas - para dar um ar vintage ou dramático ou modernoso à fotografia, e também a adição de coraçõezinhos, estrelinhas e moldurinhas, e mais um sem-fim de adereços. A fotografia é totalmente descaracterizada, muitas vezes destruída, e seu nome está lá como autor... Triste! rs

   Nesses casos, como a pessoa pagou pelo seu serviço de cobertura fotográfica de algum evento e depois recebeu as fotografias, que passam a ser dela também, você não tem como evitar que isso aconteça. A única coisa que você pode pedir é que a pessoa, além de lhe dar o crédito da foto, indique que a edição é dela, assim seu trabalho não fica associado a essa total falta de senso que vemos por aí algumas vezes.
   No mais é curtir e aproveitar ao máximo tudo que mais essa rede tem a oferecer de favorável ao seu trabalho: visibilidade.

   Eu me chamo Claudia D’Elia e sou fotógrafa autoral e “amadora”, no mais amplo sentido da palavra! Vou trazer para vocês, aqui no Foto Fácil, dicas, truques, quebra-galhos, informações e tudo mais que eu puder sobre esse assunto que amamos: fotografia! Se você quiser conhecer mais do meu trabalho, visite e curta minha página no Facebook: https://www.facebook.com/claudiadeliafotografia

6 de agosto de 2014

Pentax QS-1 e o museu de grandes novidades

   O título um tanto debochado faz referência ao design retrô e também a quase nenhuma novidade nesta Pentax QS-1 que é praticamente um remake da Pentax Q7 que o leitor do Foto Fácil já conhece, eu acho incrível que uma fabricante respeitada no mundo todo anuncie o lançamento de uma câmera que já existia há mais de um ano fabricada por ela própria. Houve até alguma mudança estética e umas poucas mudanças estruturais que o público-alvo desta câmera sequer nota mas acho que um lançamento precisa de algo mais.
Pouca coisa mudou em relação à sua antecessora
   A Pentax QS-1 é equipada com sensor CMOS com 12.4MP de resolução (1/1.7 de polegada com 12.76MP de resolução total); possui estabilização no sensor; produz fotos nas proporções 3:2, 4:3, 16:9 e 1:1 além de arquivos RAW; sensibilidade ISO 100-12800; o tempo de exposição varia entre 1/8000 e 30 segundos incluindo modo bulb; modo contínuo de até 5fps limitado a 5 imagens ou 1.5fps limitado a 100 imagens; o alcance do flash é de até 7 metros em ISO 200 e possui sapata para flash externo; faz vídeos Full HD com taxa de 30fps em formato MOV e som mono; seu monitor LCD mede 3 polegadas; e é alimentada por bateria com capacidade para cerca de 260 fotos.
Painel traseiro igual ao da maioria das câmeras compactas
   Continua valendo, assim como no modelo anterior, a possibilidade de usar as objetivas do sistema K nesta câmera. Com o fator de corte de 5.6x que a Pentax QS-1 possui é possível usar, por exemplo, uma smc PENTAX DA 55-300mm F4-5.8 ED sendo equivalente a absurdos 308-1680mm. Mas imaginem esta lente grande e pesada em um corpo tão diminuto? Mas a Pentax também possui várias objetivas pancake inclusive a levíssima e ultra-compacta 40mm f/2.8. A personalização de cores (muito comum na Pentax) não foi esquecida, são 40 opções disponíveis e o preço do kit com uma objetiva 5-15mm f/2.8-4.5 equivalente a 28-84mm teve seu preço inicial estipulado em espantosos 500 dólares.
Aí estão as 40 opções de personalização da Pentax QS-1
   Opinião do blogueiro: Vocês podem estar se perguntando se vale a pena investir tanto em um sistema com sensor tão pequeno, mas vale ressaltar que a cultura japonesa dá muito valor à miniaturização das coisas e não é à toa que já é a quarta câmera lançada neste sistema. E como a Pentax possui uma mentalidade um tanto limitada ao mercado asiático, é pensando neste público que o sistema Q continua de pé. Então, se você tem dinheiro sobrando e compra a ideia da miniaturização das coisas, esta câmera é para você. Só para você e só comprando no exterior, isso nunca vai chegar ao Brasil.
Related Posts with Thumbnails