29 de julho de 2014

Canon incha o mercado com novas superzoom SX400 e SX520

   A Canon vem na contramão da maioria das fabricantes que diminuíram o número de lançamentos por ano e anuncia duas novas superzoom, sendo que uma delas inaugura também uma nova subcategoria que ainda não existia na Canon, para tentar explorar um filão já bastante aproveitado por algumas concorrentes.
A Canon SX400 é a primeira superzoom de grande porte da Canon sem controles manuais
   A Canon SX400 é equipada com sensor CCD de 16MP (1/2.3 de polegada com 16.6MP de resolução efetiva); sua objetiva com 30x de zoom cobre distância focal entre 24-720mm com abertura f/3.4-5.8 e macro de 0cm; possui estabilização óptica; sensibilidade ISO 100-1600; o tempo de exposição varia entre 1/1600 e 15 segundos; modo contínuo de até 0.8fps; o alcance do flash é de até 5 metros; faz vídeos HD com taxa de 25fps em formato MOV com som mono; possui monitor LCD de 3 polegadas; e é alimentada por bateria com capacidade para até 190 fotos por carga.
Visual limpo com poucos botões, ideal para quem quer apenas apontar e disparar
   Opinião do blogueiro: Esta nova série e subcategoria inaugurada pela Canon SX400 é a das superzoom automáticas, ela é praticamente uma SX500 sem controles manuais, com pouquíssimas diferenças como o processador DIGIC 4+, mas com a mesma lente e o mesmo sensor. Me parece bem claro que o objetivo da Canon com esta câmera é concorrer diretamente com as superzoom da série L da Nikon. Disponível no exterior nas cores preta e vermelha a partir de agosto ao custo de 250 dólares. Recomendada aos usuários que querem apenas uma câmera de grande porte e longo alcance sem se preocuparem com ajustes, apenas apontar e disparar. 
A Canon SX520 possui um pouco mais de recursos mas nada que acrescente ao que já existe no mercado
   A Canon SX520 é equipada com sensor CMOS de 16MP (1/2.3 de polegada com 16.8MP de resolução efetiva);sua objetiva com 42x de zoom cobre distância focal entre 24-1008mm com abertura f/3.4-6.0 e macro de 0cm; possui estabilização óptica; sensibilidade ISO 100-3200; o tempo de exposição varia entre 1/2000 e 15 segundos; modo contínuo de até 10fps; possui controles manuais; o alcance do flash é de até 5.5 metros; faz vídeos Full HD com taxa de 30fps em formato MOV com som estéreo; possui monitor LCD de 3 polegadas; e é alimentada por bateria com capacidade para até 210 fotos por carga.
Nesta câmera a Canon colocou um dial para controles manuais próximo ao botão de disparo
   Opinião do blogueiro: A Canon SX520 possui alguns recursos a mais como a presença de controles manuais; a possibilidade de encaixe de um adaptador para filtros de 67mm em sua lente; saída HDMI; um dial posicionado atrás do botão de disparo para uso de controles manuais; e botões na lateral da lente para assistência de enquadramento quando o zoom máximo é utilizado. É uma Canon SX510 melhorada pelo processador DIGIC 4+. Disponível no exterior na cor preta a partir de setembro ao custo de 400 dólares. Recomendada apenas para quem faz questão de 42x a esse custo, pois há opções no mesmo nível de qualidade de imagem e mais baratas.

28 de julho de 2014

Objetiva Ibelux 40mm f/0.85: a mais rápida do planeta

   A alemã Handevision anunciou uma espantosa objetiva que é, de fato, a lente mais clara e rápida da atualidade: a Ibelux 40mm f/0.85! A objetiva é desenvolvida na Alemanha pela IB/E Optics Gmbh, mas é construída na China pela Shanghai Transvision Photographic Equipment Co. Ltd. Como não poderia deixar de ser, devido a sua enorme abertura, trata-se de uma objetiva muito grande e pesada. E também não é barata...
A Ibelux 40mm f/0.85 é tão grande que parece uma tele
   A Ibelux 40mm f/0.85 possui abertura mínima f/22; sua construção interna possui 10 elementos em 8 grupos; diafragma com 10 lâminas; distância mínima de foco de 75cm; o diâmetro para encaixa de filtros é de 67mm; mede cerca de 12.8cm e pesa aproximadamente 1,150kg. Esta lente custa "apenas" 1800 euros/2100 dólares e ainda está em fase de pré-venda.
Adicionar legenda
   A Ibelux 40mm f/0.85mm promete um excelente bokeh e desfque de fundo com esta excepcional abertura aliada ao diafragma de 10 lâminas e está disponível apenas para alguns sistemas mirrorless por enquanto: Sony E e Fuji X (equivalente a 60mm) Canon M (equivalente a 64mm) e Micro 4/3 (equivalente a 80mm). Para quem tem bala na agulha e disposição para carregar um trambolho desses, é uma ótima opção para quem quer uma lente super clara.

19 de julho de 2014

Evolução das câmeras digitais (Ano de 2012 - lentes intercambiáveis)

   Dando sequência à matéria anteriro desta série, continuo falando das câmeras lançadas no ano de 2012 mas agora é a vez das que utilizam lentes intercambiáveis. Houve o surgimento de novos sistemas mirrorless e também foi um ano marcado pelo lançamento de câmeras reflex da mesma marca em duas versões, graças à nova moda de retirar filtros dos sensores.
A Canon 60Da era uma 60D com um filtro alterado e custando 500 dólares mais cara
   A primeira câmera desta segunda parte da matéria nada mais é do que uma nova versão da Canon 60D. A Canon 60Da possui apenas um filtro infravermelho modificado para capturar uma frequência específica que favorece a astrofotografia, e só por isso essa câmera custava 500 dólares a mais que o modelo original! Continuava com o mesmo sensor APS-C de 18 megapixels e monitor LCD móvel da irmã mais velha.
Poderosa e imponente Nikon D800
   A Nikon anunciou uma renovação muito aguardada entre suas câmeras Full frame, a Nikon D800 que veio em dose dupla, com uma irmã gêmea chamada Nikon D800E e isso se deveu à retirada do filtro anti-serrilhado (chamado de low pass ou anti-aliasing) que a tornou mais cara. Com a espantosa resolução de 36MP, prometia brigar de igula para igual até com as médio-formato. A diferença de preço entre elas fica em 300 dólares.
A robusta Pentax K5 II também tev sua irmã gêmea no dia do lançamento
   Outra marca que usou do mesmo artifício da Nikon foi a Pentax quando anunciou o lançamento da Pentax K5 IIs que não era nada além de uma Pentax K5 II sem o já citado filtro anti-serrilhado. Carros-chefes da marca entre as câmeras com sensor APS-C, possuíam corpo selado contra intempéries e a diferença de preço entre elas era de apenas 100 dólares.
Canon 1D C usando uma lente de cinema
   Neste ano de 2012 a Canon ousou lançando uma câmera reflex especialmente para videografia, a Canon 1D C que fazia vídeos na resolução 4K e fazia um belo conjunto comas lentes para cinema da Canon. Com sensor Full-frame de 18 megapixels e um corpo bastante robusto, é uma câmera muito cara e dedicada apenas a profissionais que trabalham com vídeos.
A Leica M-Monochrom foi um verdadeiro fetiche fotográfico
   Mais uma câmera que era apenas uma versão modificada de outra já existente, a Leica M-Monochrom é exatamente o que o nome diz: monocromática. Acreditem se quiserem, a Leica teve a ousadia de criar uma câmera digital capaz de caputar imagens apenas em preto e branco, o que parece loucura para os dias de hoje. Com sensor Full-frame de 18 megapixels, era uma versão da famosíssima Leica M9. Câmera para muito poucos pois custava 8 mil dólares só o corpo...
Canon EOS-M é bonitinha mas ordinária
   A Canon enfim entrou no ramo das mirrorless no ano de 2012, mas foi de forma inssossa que era melhor nem ter entrado. A Canon EOS M, com sensor APS-C de 18MP e nova baioneta EF-M, parece ter sido lançada apenas por obrigação, somente para não ficar de fora. Tanto que não vingou até hoje, raramente se ouve falar no sistema mirrorless da Canon, mas ele existe, acreditem! Mas a prova de que o sistema é meio marginalizado pela própria fabricante é o fato de ter até hoje apenas 4 lentes oficiais disponíveis.
Para o meu gosto o design da Pentax K-01 é bem estranho
   A Pentax optou por uma inovação um tanto bizarra no design, mas apostou em manter a baioneta de suas câmeras reflex. Isso quer dizer que não será preciso lançar novas lentes exclusivamente para o seu sistema mirrorless, mas eventualmente ocorrerá o problema de lentes grandes demais em um corpo relativamente pequeno para elas, mas a fabricante vem criando novos modelos de suas levíssimas objetivas pancake. O sensor da Pentax K-01 é um APS-C de 16 megapixels.
Belas câmeras e qualidade acima da média, assim a Fuji vem construindo a boa reputação de seu sistema mirrorless
   Para encerrar com o que aconteceu de melhor no ano de 2012, na minha modesta opinião, o início do sistema mirrorless da Fuji. Nesta época ainda era um sistema apenas promissor, cheio de incertezas e desconfiança, mas o tempo mostraria que este talvez fosse o melhor sistema mirrorless em questão de qualidade de imagem. Este modelo em si, o Fuji X-Pro1, nem foi tão empolgante mas o que se viu depois foi a glória da Fuji com modelo bonitos e de qualidade incrível, um sistema altamente competente. No início apostou-se em muitas lentes de distância focal fixa, mas agora mais objetivas zoom estão surgindo e outros fabricantes já produzem lentes também para este sistema. O sensor era um APS-C de 16MPe o sistema e a baioneta se chamariam simplesmente X.

18 de julho de 2014

Evolução das câmeras digitais (Ano de 2012 - compactas)

   Vocês se lembram que na última matéria desta série eu escrevi que estava começando uma metamorfose na fotografia digital após alguns anos de marasmo tecnológico? Pois bem, o ano de 2012 foi tão repleto de novidades (e a maioria delas muito boas) que tive que dividir essa matéria em duas partes, uma com as compactas e outra com as câmeras de lentes intercambiáveis, e ainda assim as matéria ficaram grandes.
Pentax VS20 e seus dois botões de disparo
   A Pentax anunciou uma câmera que trazia até uma boa novidade, mas para o público-alvo errado: uma câmera compacta com botão de disparo vertical, como se houvesse um grip vertical nela. A ideia seria muito bem aceita se não tivesse sido introduzida em uma câmera compacta totalmente automática e com poucos atrativos. A Pentax VS20 era uma superzoom de pequeno porte com 20x de zoom e possuía um sensor CCD de 12 megapixels.
A Nikon S30 e sua aparência de brinquedo
   Essa aqui eu já achei uma excepcional ideia e o bom é que ela hoje já está em sua terceira versão, sinal de que fez sucesso e agradou ao público. A Nikon S30 é uma câmera à prova d'água super simples e bem pequena, com aparência de câmera de brinquedo e parece que foi intencional, é uma câmera destinada a famílias com crianças que costumam usar a câmera. De facílimo manuseio e custo muito baixo para uma câmera à prova d'água, achei essa uma jogada sensacional da Nikon. Esta câmera possui 3x de zoom e um sensor CCD de 10 medindo 1/3 de polegada, comumente usado em smartphones.
Samsung Galaxy Camera e seu imenso monitor LCD
   A Samsung ousou, como de costume, e lançou um híbrido de smartphone e câmera com quase todas as funcionalidades de um dispositivo móvel dotado de sistema operacional Android em 3 versões: wi-fi, wi-fi + 3G e wi-fi + 4G. Eu disse quase todas as funcionalidades porque ele não servia para telefonar para alguém, mas todas as funções de conectividade com internet e redeso sociais esavam lá. A Samsung Galaxy Camera possui 21x de zoom, um sensor de 16 megapixels e um monitor LCD gigante de 4.8 polegadas.
A Nikon S800c tem mais jeito de câmera do que o modelo anterior
   A conectividade deu o tom na fotografia digital em 2012 e a Nikon também aderiu ao sistema Android. Com uma câmera de funcionamento mais simples, não sendo tão parecida com um smartphone, a Nikon S800c possui 10x de zoom, um sensor com 16 megapixels de resolução e um grande monitor OLED touchscreen de 3.5 polegadas.
A Panasonic FZ200 era a mulher superzoom lançada até aquele momento
   A Panasonic surpreendeu a todos com uma superzoom de abertura constante f/2.8, algo que não se via há muitos anos e não se esperava ver novamente. A Panasonic FZ200 repetiu o sucesso da consagrada série FZ com uma lente Leica super clara (para os padrões de uma superzoom, principalmente em tele) com 24x de zoom e um aclamado sensor de 12 megapixels em uma época em que a guerra dos megapixels estava chegando ao seu auge.
Sem dúvida a Sony RX100 era a melhor câmera de bolso que existia
   Mas 2012 também foi o ano das compactas premium e tivemos 3 verdadeiras joias neste ano, começando com a Sony RX100. Com um arrojado sensor de 1 polegada com 20MP de resolução e uma verdadeira Carl Zeiss com 3.6x de zoom cabendo incrivelmente no bolso, foi uma das câmeras de maior sucesso dos últimos anos mesmo com um preço não muito acessível. Qualidade de imagem no seu sentido mais puro.
Uma das compactas mais compeltas que já vi, a Canon G1x peca no seu tamanho
   A Canon também havia surpreendido com uma nova série de compactas premium e um sensor gigantesco de 1 polegada e meia. A Canon G1x foi apenas o estopim de uma revolução na fotografia digital, em uma época em que as câmeras digitais perdiam cada vez mais espaço para os smartphones era preciso que as fabricantes de câmeras pensassem em algo diferente e a Canon foi a primeira delas. Com 14MP e 4x de zoom, era compacta só no nome, não era tão portátil quanto o modelo do parágrafo anterior mas também trazia consigo uma qualidade de imagem acima da média com um custo-benefício surpreendentemente muito bom.
Além de tudo que está escrito aí embaixo, a Sony RX1 ainda é linda
   Mas a estrela de 2012 foi, sem dúvida, a Sony RX1. Uma compacta Full-frame! Com 24 megapixels e uma objetiva de 35mm, se tornou a vedete da chamada fotografia de rua (prefiro evitar estangeirismos de fácil tradução como street photography). Com uma Carl Zeiss de causar inveja a qualquer câmera, era uma câmera que poderia até ser usada profissionalmente pois sua qualidade de imagem é absurda e indiscutível.

14 de julho de 2014

Quem imprime fotos?

   Você faz uma viagem incrível e volta com mais de 1000 fotos no cartão de memória da máquina. Você tem um filho e fotografa cada acontecimento, desde a gravidez, o parto, as gracinhas, a festa de um ano, tudo. Você fotografa o seu dia a dia e as delícias do seu cotidiano. O HD do computador (ou externo) está explodindo de tantos arquivos. Você inclusive já precisou comprar outro. Algumas fotos você nem lembra mais de ter feito. Mas não imprime uma foto há anos.

   Quem nunca passou por isso?

   Antigamente comprávamos filmes de 12, 24 ou 36 poses e, para ver as fotos, era necessário revelar o filme, e então ficávamos com todas as fotos impressas. Agora, com o advento e a popularização da fotografia digital, é possível ver as fotos imediatamente, no visor das máquinas, e também nos computadores. 

   Assim, é cada vez mais comum fotografar e guardar os arquivos nos computadores, sem imprimir. Atualmente, também em função dessa facilidade, fotografamos muito mais, principalmente em viagens e passeios. Mostramos algumas fotos nas redes sociais, arquivamos todas nos HD e imprimimos somente uma ou outra, para colocar em um porta-retratos, por exemplo. A maioria dos fotógrafos costuma fazer isso com as suas fotos pessoais, com algumas exceções, claro.

   O risco disso é um HD queimar ou ser contaminado por vírus, e todas as lembranças serem perdidas. Daí vem a importância de imprimir fotos, pelo menos algumas, as melhores. Fotos precisam ser impressas, decorar a casa, enfeitar álbuns para serem mostrados aos amigos e familiares. Fotos precisam fazer parte da nossa vida de fato e não ficar restritas às nossas vidas virtuais, muitas vezes totalmente esquecidas no HD. 

   Pense nisso e passe a imprimir pelo menos algumas das suas fotos mais importantes. Veja e sinta as suas fotografias, deixe que elas façam parte da sua vida. E garanta a perpetuação das suas lembranças!

   Eu me chamo Claudia D’Elia e sou fotógrafa autoral e “amadora”, no mais amplo sentido da palavra! Vou trazer para vocês, aqui no Foto Fácil, dicas, truques, quebra-galhos, informações e tudo mais que eu puder sobre esse assunto que amamos: fotografia! Se você quiser conhecer mais do meu trabalho, visite e curta minha página no Facebook https://www.facebook.com/claudiadeliafotografia 

Related Posts with Thumbnails